Dicas

Tudo o que você precisa saber antes da reforma de banheiro para não ter surpresas

Tudo o que você precisa saber antes de reformar o banheiro para não ter surpresas

Encarar uma reforma de banheiro ou outros cômodos nem sempre é tão simples quanto se planeja, mas não necessariamente envolve tantas complicações como você deve estar pensando agora. Sabia que falta de planejamento é um dos maiores motivos pelos quais algumas experiências de obra em casa são tão traumáticas?

Para evitar surpresas desagradáveis antes, durante e depois da reforma, listamos, junto com a arquiteta Cindy Maia, do Studio², tudo (ou praticamente tudo) o que você precisa saber antes de fazer uma reforma de banheiro, desde a fase de planejamento até a de execução. Depois disso, mãos à obra!

7 coisas que você precisa saber antes de fazer uma reforma de banheiro

1 – Existem formas de minimizar o quebra-quebra

São várias as maneiras de fazer uma reforma de banheiro, evitando quebrar paredes. Por exemplo, trocando o espelho, a iluminação, o mobiliário (caso ele seja solto), os metais, acrescentando nichos… É possível até colocar um revestimento sobre o outro.

Nesse último caso, no entanto, é importante conferir se não vai causar sobrepeso na estrutura. Outra dica é se atentar ao uso dos materiais corretos, como a argamassa, que precisa ser específica para o caso.

Além disso, lembre-se de que se utilizar dessa estratégia gera uma espessura além da existente, que pode interferir em coisas como a altura do vaso sanitário, como ficará o acabamento com a esquadria da janela e, se for no piso, cuidar para não ficar um degrau entre o revestimento externo e o revestimento interno do banheiro.

2 – É preciso se planejar (e ter um banheiro backup)

Se sua opção for mesmo encarar a obra, o primeiro passo é fazer o projeto do banheiro e saber o que será alterado. Será uma reforma completa? Alguma parede será realocada? Será preciso mudar o encanamento, o revestimento, os metais?

Contar com a ajuda de um profissional nessa fase e no acompanhamento da obra vai garantir que tudo o que estiver no planejamento seja viável e vai permitir mapear possíveis imprevistos. Nunca é demais lembrar que, por mais rápida ou simples que seja a reforma de banheiro, o cômodo não poderá ser usado pelo menos por alguns dias e, por isso, se organizar para ficar sem ele na casa em obras é indispensável.

3 – É ideal ter todos os orçamentos antes da obra começar

Não é segredo para ninguém que imprevistos financeiros acontecem em reformas, já que sempre surgem demandas de última hora que precisam ser custeadas. No entanto, é fundamental ter uma noção do orçamento da obra antes de dar início a ela, para não correr o risco de ter que interrompê-la. Para isso, segundo a arquiteta, é necessário listar todas as etapas do projeto, os materiais necessários e a mão de obra.

4 – Contratar mão de obra de confiança é se livrar de problemas futuros

Claro que, dependendo da natureza e do tamanho da obra, é possível fazer algumas coisas no estilo DIY. Mas, de forma geral, investir em mão de obra especializada é muito aconselhável para reformas de banheiro. Isso porque tarefas como colocação de revestimento, hidráulica e elétrica exigem conhecimentos específicos e, caso fiquem mal feitas, podem gerar um custo e um tempo de obra muito maior do que o previsto.

5 – É preciso seguir o cronograma da reforma

Geralmente, um cronograma de obra começa com a parte civil, que é quebrar e levantar paredes, por exemplo. O segundo passo é a colocação dos revestimentos de piso e parede, da bancada de pedra, dos espelhos e do box. Por último, a etapa da marcenaria. Seguir essa ordem na reforma de banheiro, prevendo o tempo gasto em cada uma das etapas, torna mais improváveis surpresas desagradáveis ao longo do processo.

6 – Áreas úmidas exigem cuidados especiais

Segundo Cindy, ambientes molhados exigem cuidados específicos durante a obra. Um exemplo é colocar manta impermeabilizante onde for necessário, para evitar infiltrações, principalmente na parte interna do box. Outra ideia é colocar o espelho colado, não parafusado, para não correr o risco de oxidar ou começar a descascar a parte onde ficam os pinos. A recomendação é também evitar o uso de pedras porosas na bancada, como o mármore, já que elas mancham com facilidade.

7 – Caimento do ralo: sempre um ponto para ficar atento

A regra é clara: “o caimento deve ser de, no mínimo, 1 a 2% e o acabamento deve ser muito bem feito para evitar cantos vivos entre as peças de revestimento. Isso pode acumular sujeira, mofo e até cortar os pés do usuário”. Ter certeza de que a regra foi cumprida durante a execução da obra pode evitar muita dor de cabeça futura, já que consertar não é tão simples quanto fazer (e será preciso outra obra…).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo